quinta-feira, 29 de setembro de 2016

A Triste Realidade

Com um lucro de 20M€ o Passivo aumenta 25M€! Foi com a palavra “lucro” que os pasquins afetos ao clube da treta embandeiraram em arco o anúncio de um resumo do RC relativo ao exercício 2015/2016 (1 de Julho de 2015 a 30 de Junho 2016). Para mim esse resumo é suficiente para perceber a grande ilusão que vai no Circo encarnado. Se repararmos que o Passivo Total da Sad é de 455M€ do qual 310M€ são Passivo Financeiro remunerado (paga juros) não compreendo porque andam tão entusiasmados.
Vamos ver como aparece este “lucro”. Imaginem só por uns momentos que as vendas de Renato Sanches e Gaitán não teriam sido realizadas antes de 30 de Junho. Como renderam juntos 60M€, em vez dos tais 20M€ de lucro, teriam 40M€ de prejuízo. Não contando que receberam a maçaroca mas ficaram sem os atletas. Isto se falarmos apenas da Sad. O RC do Clube deve apresentar um Passivo que somado com o da Sad ultrapassa os 500M€! Para os menos entendidos nestas minudências, refere-se que ESTAS é que são contas consolidadas visto que o clube faz parte (é o sócio maioritário com 63%) da Sociedade.
 
Engraçado que mesmo com as excelentes vendas realizadas, bem como a subida de Proveitos em quase todas as Contas, o diretor financeiro Domingos Soares de Oliveira acha (e muito bem) que apenas equilibra as finanças quando conseguir reduzir o Passivo ao valor médio dos Proveitos (mais ou menos 200M€). Ou seja: se houver um ano mau (não apuramento para as competições europeias ou vendas inferiores às da última época) o Passivo continua a aumentar indefinidamente. Quando Vieira pegou na Sad o Passivo era de 80M€. Hoje é 7 vezes maior.
 
Nenhum dos pasquins encarnados (e são todos) reparou que o Capital Próprio (diferença entre Ativo e Passivo) é apenas de 20,9M€ (476,4M€-455,5M€) inferior a metade do Capital Social que são 115M€ o que, como já vem sendo hábito, coloca a Sociedade em Falência Técnica. Aguardaremos pelo parecer do Conselho Fiscal, do Auditor, e do Revisor Oficial de Contas para ver como é tratada esta situação.
Atravessando a Segunda Circular e passando para o outro Circo em frente, a situação ainda é pior. No exercício relativo à última época baixaram o Ativo, subiram o Passivo que já vai em 250M€, e tem um Capital Próprio negativo de 25M€, ou seja: estouraram o Capital da Sociedade no valor de 67M€ e já devem aquela conta mais 25M€. Orgulham-se de terem feito um excelente negócio com a Banca que consistiu em transformar 55M€ de créditos em VMOC’s, umas Obrigações a 10 anos convertíveis em Ações, que se não forem resgatadas naquela data permitem a entrada da Banca na sociedade a somar aos mais de 20% que a HOLDIMO já lá tem. 
 
Como se não bastasse, encetaram uma verdadeira caça às bruxas “convocando” os seis anteriores presumíveis responsáveis pela quase perda de maioria na SAD para uma Auditoria interna a realizar durante várias semanas.
Só para que conste o Resultado Líquido desta última época foi um prejuízo de 32M€. Pergunta-se então como perante estas tristes realidades andam todos tão contentes!
 
Até à próxima

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

O “Borrego” dura, dura, dura…

imagem de zerozero

Derrota estúpida. Não existe outra forma de olhar para esta derrota do Futebol Clube do Porto em Leicester. E porquê? Porque o golo sofrido foi – outra vez - de uma estupidez atroz. Defesa Portista a dormir e Iker Casillas a ser igual a si próprio em mais um cruzamento para a sua pequena área. Após o jogo com o Vitória Sport Clube (Vitória de Guimarães) um amigo meu, Portista, disse-me que o FC Porto iria sofrer golos estúpidos… Confirma-se a previsão. O pior é que este golo de Slimani (mais um marcado ao FC Porto, para não variar) custou dinheiro, prestígio e uma possível passagem à fase seguinte da prova milionária.

Os Azuis e Brancos até que entrarem bem. Pressionantes q.b., bem posicionados em campo, com a sua defesa a saber posicionar-se perante um ataque sempre muito veloz. O Leicester não é uma equipa que pratique um futebol de gabarito, dado que é quase tudo “bola para a frente” e os avançados que falam o resto. O problema foi o já aqui falado golo estupidamente sofrido… A partir desta altura os Azuis e Brancos parecem ter “perdido por completo o norte”. O FC Porto deixou de saber o que fazer em campo. Posso dizer - com segurança total - que o FC Porto praticamente não existiu em toda a primeira parte desde o golo sofrido. E tal não pode voltar a suceder… Começo-me a perguntar porquê carga de água Nuno Espírito Santo (NES) ainda não resolveu de vez esta maldita malapata dado que não se trata de uma situação virgem.

Na segunda parte vi um FC Porto a jogar contra uma série de “autocarros” diante da baliza de Kasper Schmeichel. Não jogou mal, é um facto, ma faltou aquela pontinha de sorte que a pressão de ter uma defesa que sofre golos ridículos provoca em qualquer equipa. Ao contrário de muito “boa gente”, sou da opinião de que NES “mexeu” bem na equipa e que a mudança de 4x4x2 para 4x3x3 foi nem pensada, assim como foi também muito bem pensada a ideia de apresentar um ataque inicial móvel com Adrian López e André Silva.

Não consigo perceber é a insistência que NES tem em colocar Oliver Torres tão distante da zona de construção de jogo… Não é por nadam, mas o jogo do Futebol Clube do Porto melhorou quando Oliver deixou de estar quase a par de Danilo Pereira. E também há que dizer que desta vez Héctor Miguel Herrera entrou para trazer algo de muito bom ao jogo (só foi pena ter errado um o outro passe).

Chave do Jogo: Surgiu ao minuto 25´ +ara resolver a contenda a favor dos campeões de Inglaterra. Slimani marcou o golo e “arrasou” por completo com a estratégia dos Dragões. A partir daí o Leicester limitou-se a fazer aquilo que sabe fazer com grande mestria e que lhe possibilitou conquistar o título de campeão inglês na época passada.

Arbitragem: Péssima. Cüneyt Çakir e a sai equipa de arbitragem fizeram aquilo que é conhecido por “arbitragem caseira”. Ao Leicester todo e qualquer tipo de agressão era permitida, já ao Futebol Clube do Porto o mínimo sopro nas costas do adversário era motivo de falta e cartão amarelo. Parece-me que ficou uma Grande Penalidade por marcar a favor dos Dragões na fase final da partida.

Positivo: Héctor Miguel Herrera e Jesús Corona. Os dois mexicanos quando entraram em campo trouxeram a qualidade que muita falta fez ao ataque portista. Só é pena que sejam muito inconstantes.

Negativo: Defesa portista. Mais um golo ridículo que é consentido pela defesa Azul e Branca. Equipa que quer ir longe na europa do futebol não pode, nem deve, fazer tão triste figura.

Artigo publicado no Blog o gato no telhado

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Hora de matar o “borrego”?


Após a entrada em falso do Futebol Clube do Porto na Fase de Grupos da UEFA Champions League, eis que é chegada a altura de corrigir o erro e voltar “a entrar nos eixos” no que a estas andanças europeias diz respeito.

Contudo para tal tarefa os Dragões terão de fazer aquilo que nunca fizeram na sua história: vencer em Inglaterra. Ou seja; o Futebol Clube do Porto terá a tarefa de derrotar o campeão inglês em Inglaterra. Será um feito inédito se Nuno Espírito Santo conseguir vencer o Leicester FC. Não é impossível - no futebol não existem impossíveis - mas é, sem sombra de qualquer dúvida, complicado. E de pouco interessa para o caso a fraca (ou mesmo inexistente) nomeada europeia do Leicester.

O Leicester é a típica equipa britânica do antigamente. Muito forte fisicamente, audaz no contra ataque e mortífera no que à velocidade de execução diz respeito. O jogo aéreo é o seu ponto mais forte (cuidado Casillas). Falta-lhe técnica e um estilo de jogo mais fluído.

O Leicester está longe – muito longe – de ser um dos “Tubarões” da europa, mas não vai ser nada fácil defrontar as “Raposas”. Especialmente se tivermos em linha de conta que os Dragões “amolecem” sempre um pouco quando são considerados favoritos. O facto de terem de defrontar uma equipa “certinha” que faz do físico e da velocidade a sua maior arma não abona muito a favor dos Azuis e Brancos.

Exige-se, então, um Futebol Clube do Porto “mandão” e concentrado na defesa. O meio campo dos Dragões deverá ser reforçado com a inclusão de Rúben Neves que irá auxiliar Óliver Torres no apoio aos dois avançados móveis que poderão muito bem ser André Silva e Adrian López. Contudo se NES apostar em Héctor Herrera neste jogo, bem pode dizer adeus aos três pontos pois os atletas do Leicester não irão perdoar as habituais “fífias” do mexicano.

É perfeitamente possível ao Futebol Clube do Porto fazer história na partida de hoje, mas para tal terá de “inventar” pouco, NES não ser o típico treinador português e, sobretudo, ser uma equipa concentrada em todos os seus sectores para que as “Raposas” não tenham o mínimo de espaço.

Lista de Convocados: Casillas, Boly, Marcano, Rúben Neves, Brahimi, Depoitre, André Silva, Adrian López, José Sá, Alex Telles, Herrera, Corona, Diogo Jota, André André, Layún, Danilo, Otávio, Felipe e Óliver. 

Onze Provável (4x4x2): Casillas, Miguel Layún, Felipe, Boly, Alex Telles, Danilo Pereira, André André, Óliver Torres, Ótavio, Adrian López e André Silva

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Pensamento da Semana: “Ai e tal eu já sabia”

Sei de antemão que o futebol é paixão. Contudo quando alguém diz assistir futebol e querer opinar sobre o mesmo não pode e não deve não deixar-se levar pela paixão. Por muito que custe tem de se manter sempre “preso” à razão sob pena de não lhe ser dada qualquer atenção.

Vem isto a propósito daqueles adeptos do Futebol Clube do Porto que sempre que o Clube Azul e Branco obtém um mau resultado, logo surgem em tudo quanto é Blog/Rede Social com o seu discurso do “ai e tal eu já sabia”.

Desculpem mas não sabiam nada. E digo tal porque quando o FC Porto vence o seu jogo – jogando bem ou mal – ninguém vê o raio do vosso discurso do “ai e tal eu já sabia”.

Meio-termo e coerência (muita coerência) recomenda-se e exige-se minhas Senhoras e meus Senhores. 
 
Um aparte; bem que a SAD do FC Porto poderia deixar de “fazer de múmia” e dar a devida resposta a esta parvoíce.
E já agora "para ontem". Se não for pedir muito.

domingo, 25 de setembro de 2016

O Cantinho das Modalidades

Andebol

- Sem apelo nem agravo, o FC Porto bateu o Benfica, por 26-18, e está na frente do Andebol 1, com nove pontos, a par do Sporting. Foi um encontro totalmente dominado pelos Dragões, que nunca estiveram em desvantagem e que aproveitaram um arranque demolidor para depois gerir uma partida em que os lisboetas apenas se aproximaram no marcador em meados da primeira parte. Spelic - reforço que fez a sua melhor exibição ao serviço do clube - e Yoel Morales, com quatro golos, foram os mais certeiros, mas o destaque tem mesmo de ser coletivo: houve 11 marcadores entre os portistas.

- O FC Porto venceu o Avanca por 30-18 e aproveitou para se isolar na liderança do Andebol 1 à quarta jornada. O jogo foi resolvido numa segunda parte em que o FC Porto sofreu apenas quatro golos, depois de 30 minutos iniciais em que os anfitriões - treinados por Carlos Martingo, antigo jogador e treinador do FC Porto - proporcionaram uma excelente réplica.

- Hugo Laurentino foi o protagonista da vitória (36-28) sobre o Águas Santas, que permite ao FC Porto manter a liderança da primeira fase do Andebol 1, com 15 pontos, resultantes de cinco vitórias em cinco jogos. O guardião foi a figura não tanto pelas defesas importantes que efetuou e que já são habituais, mas mais pela combinação dessa função com a marcação de três golos, no arranque da segunda parte, o momento decisivo da partida. Só aí os portistas arrancaram para um triunfo claro, mas que foi o mais suado da temporada, frente a um rival que arriscou e causou muitas dificuldades no primeiro tempo.

Basquetebol

- O FC Porto bateu os espanhóis do Cáceres, por 92-74, em encontro da primeira mão da Taça Ibérica, que serviu também para apresentar a formação azul e branca aos sócios. Este será, aliás, o único encontro caseiro da pré-época, que tem como grande objetivo a preparação para a eliminatória de acesso à Liga dos Campeões de basquetebol, frente aos lituanos do Juventus Utena (jogos a 27 e 29 de setembro). O encontro foi controlado pelos campeões nacionais, que cavaram uma vantagem de 11 pontos (24-13) logo no final do primeiro período e chegaram a ter 21 de vantagem no segundo.Em termos de pontos, destaque para o facto de seis jogadores portistas terem ultrapassado a dezena, com Jeff Xavier e Sasa Borovnjak a chegar aos 18.

- O FC Porto venceu a Ovarense por 70-60 e apurou-se para a final da Azeméis Basketball Cup, na qual vai defrontar a Oliveirense, a equipa anfitriã que bateu o Sampaense no outro jogo deste torneio de pré-temporada.

- A equipa de basquetebol do FC Porto perdeu frente à Oliveirense, na final da Azeméis Basketball Cup por 77-66, num jogo que começou equilibrado e que a equipa anfitriã decidiu a seu favor no terceiro período.

- O FC Porto perdeu diante do Cáceres (86-76), no Pavilhão Multiusos de Cáceres, em Espanha, mas a derrota não impediu os campeões nacionais de erguer a Taça Ibéria, disputada a duas mãos. No primeiro encontro entre as duas equipas, que ao mesmo tempo serviu de apresentação aos sócios portistas, os azuis e brancos triunfaram por 92-74, no Dragão Caixa, “cavando” uma diferença que acabou por se revelar decisiva para o desfecho do duplo embate.

Hóquei em Patins

- O FC Porto Fidelidade apurou-se para a meia-final da Elite Cup, depois de ter derrotado a Juventude de Viana por uns esclarecedores 9-2. Um hat-trick de Rafa (na foto), um bis de Hélder Nunes e outro de Telmo Pinto e ainda golos de Reinaldo Garcia e Vítor Hugo resolveram um jogo em que os Dragões foram claramente superiores aos minhotos. Na meia-final, este sábado (19h00, com transmissão na TVI 24), os portistas defrontam a Oliveirense.

- O FC Porto Fidelidade garantiu o apuramento para a final da Elite Cup, torneio de pré-época de hóquei em patins que reúne em Coimbra as oito equipas melhor classificadas da edição 2015/16 do campeonato nacional. Frente à Oliveirense, Hélder Nunes Ton Baliu e Vítor Hugo bisaram, com os restantes golos azuis e brancos a serem da autoria de Rafa, Reinaldo Garcia e Gonçalo Alves.

- O FC Porto perdeu frente ao Sporting, por 3-1, na final da Elite Cup, uma prova que reuniu os oito primeiros classificados do último Campeonato Nacional, em Coimbra. O jogo foi muito equilibrado e acabou por ser decisivo o facto de os lisboetas terem marcado primeiro, já na segunda parte. Não foi conseguido o objetivo de vencer o torneio, mas ter-se-á cumprido o principal desígnio do treinador Guillem Cabestany: "jogar bem" e preparar a disputa da Supertaça, frente ao Benfica, este sábado, às 20h30, no Pavilhão Municipal da Mealhada. - O FC Porto Fidelidade venceu o Benfica (13-7), no Pavilhão Municipal da Mealhada, conquistando assim a 20.ª Supertaça de hóquei em patins da sua história, competição na qual é, de muito longe, o clube mais titulado em Portugal. Num jogo cheio de história e de golos, os Dragões mostraram ser mais fortes e ergueram justamente o troféu.

sábado, 24 de setembro de 2016

O importante é vencer, mas...

imagem retirada de zerozero

Tenho para mim que mais importante do que jogar bem é vencer. E foi basicamente isto que o Futebol Clube do Porto fez hoje diante do Boavista Futebol Clube. Venceu, jogou q.b mas não convenceu porque o futebol que mostrou na segunda parte é elucidativo de como o Dragão está – ainda – longe de estar aprimorado.

Nuno Espíritos Santo (NES) tem tentado gerir (com relativo sucesso) um plantel que foi muito mal construído, daí a tremenda dificuldade que este Porto tem de “matar” o jogo. Mesmo quando os adversários são acessíveis como este Boavista. Espero, sinceramente, que em Janeiro tenhamos novidades em certos sectores (especialmente no ataque e defesa) caso o problema tenha sido minimizado.

Um dos grandes problemas do FC Porto de NES é a defesa. Posiciona-se mal e tem um guarda-redes conceituado que por vezes mais parece um guarda-redes dos Distritais. O golo dos Axadrezados é um bom exemplo. É verdade que o atleta Boavisteiro se encontrava em fora de jogo (só a equipa de arbitragem é que “não viu”), mas o posicionamento da defesa Portista é de bradar aos céus de tão má que foi. Para piorar o cenário é ver Iker Casillas a dar uma de “brinca na areia” numa segunda parte onde o FC Porto lhe deu para gerir esforço (por acaso a coisa não correu mal… Por acaso!).

O outro grande problema do FC Porto de NES é a estranha “necessidade” que este tem de gerir o esforço na segunda parte. Tal tarefa rapidamente se transforma num dos 7 trabalhos de Hércules quando se aposta numa espécie de 4x4x2 com o qual a equipa Portista não está – mesmo – nada habituada. Vá lá que do outro lado da barricada esteve uma equipa relativamente acessível… Mas o FC Porto que nem pense em fazer tal coisa em Leicester senão vai ser o fim do mundo!

Bem sei que as rotinas e entrosamentos se ganham durante a competição e que é mais fácil conseguir tal coisa ganhando os jogos mesmo sem jogar bem, mas com NES a mudar constantemente o onze inicial e com uma linha defensiva onde o disparate pode surgir a qualquer momento torna-se complicado aplicar com eficácia o 4x4x2 no FC Porto.

Apesar de tudo o mais importante é que os Azuis e Brancos venceram. Mas espero sinceramente – repito – que em Leicester a tal 2.ª parte de hoje não se repita. Contra as equipas inglesas não basta jogar q.b. na primeira parte.

Uma nota final. Marcar um Dérbi da cidade do Porto (que tem história no futebol português) para as 19H de uma Sexta-feira é uma tremenda falta de respeito para com os adeptos que se deslocam ao Estádio. Obrigar o adepto a ter de sair “à pressa” do seu local de trabalho para ver o Dérbi da cidade Invicta é um tremendo castigo. E tudo isto porque a SportTv entendeu que o Sporting CP x GD Estoril Praia deveria ser disputado às 21H deste mesmo dia… Como se o confronto entre Sporting e Estoril tivesse um interesse maior do que um duelo de eternos rivais. Depois queixam-se de que os estádios de futebol em Portugal estão vazios.

Chave do Jogo: Apareceu “tarde e a más horas” para resolver a contenda a favor dos Dragões. Isto porque no minuto 86´ o guardião dos Axadrezados, Kamran Agayev, fez um tremendo “frango”, introduzindo a bola na sua própria baliza. A partir daí toda a resistência e espírito de luta do Boavista FC “caiu por terra”.

Arbitragem: Razoável. Nuno Almeida esteve mal ao validar o golo do Boavista (em claro fora de jogo). Esteve bem na marcação de uma grande penalidade contra o Boavista por falta cometida por Henrique sobre Otávio. Tirando estes dois lances quase não se deu por Nuno Almeida e a sua equipa (o exigível a qualquer equipa de arbitragem).

Positivo: André Silva, Otávio & companhia. A melhorar e, se possível, com um André Silva sempre “matador”. Destaque também para Ádrian López que parece um “peixe na água” neste 4x4x2 de NES. 
Negativo: Defesa. Equipa que quer ser campeã e competitiva na europa do futebol não pode continuar a cometer tantos erros de palmatória.

Artigo publicado no blog o gato no telhado