terça-feira, 23 de maio de 2017

Pensamento da Semana: A postura que se exige

Terminada que está mais uma época que ficou – mais uma vez – em branco, importa agora preparar o futuro. E é nesta importante “tecla” que os adeptos e sócios do Futebol Clube do Porto devem “bater com força” em vez de fazerem aquilo que o dito “Polvo” deseja e ambiciona.

Dito de outra forma; os adeptos e sócios do Futebol Clube do Porto devem exigir ao Presidente e restante Direcção do Clube que por esta altura já tenham a próxima época devidamente preparada seja com Nuno Espírito Santo como treinador da equipa principal ou não.

È que se vamos fazer aquilo que a “mainada” quer e deseja, então mais vale a aplicação do Futebol Clube do Porto passar a ter a opção de escolha semanal do treinador da equipa portista. O mais votado orienta a equipa no fim-de-semana e com sorte até poderia dar uns “toques” numa partida da Champions. 

p.s. Um aparte. Quantos Telejornais abriram com a notícia de que Luís Filipe Vieira (actual Presidente do SL Benfica) foi constituído arguido num dos variados processos do BPN? Fosse Pinto da Costa ou outro qualquer do universo Futebol Clube do Porto e teríamos “circo” a toda a hora. Continuem, então, a “cascar” em NES e a mostrar toda a sapiência táctica que há em vós. Estão no bom caminho e demonstram que em quatro anos não aprenderam ABSOLUTAMENTE NADA. O “Polvo” agradece e nem precisa de drones para tal.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Se era para fazer o frete

Não me vou alongar muito na análise ao Moreirense FC 3 x FC Porto 1. Isto porque o título deste texto é elucidativo sobre o que aconteceu em campo. Uma defesa como a do Futebol Clube do Porto não pode – nem deve – sofrer golos daqueles. Será que os atletas do FC Porto nunca ouviram falar nas “compensações”? Se um companheiro da defesa vai marcar um outro atleta da equipa adversária, cabe a um jogador do FC Porto ocupar o espaço deixado vazio pelo defesa para se evitar sofrer um golo como o terceiro do Moreirense FC. É assim tão complicado?

Pois para os jogadores do actual plantel do Futebol Clube do Porto tudo parece ser complicado. Tal ficou bem patente nos três golos da equipa minhota… Três disparates defensivos que redundaram em três golos inadmissíveis. Se isto continuar assim bem que se pode ir buscar o José Mourinho que isto nunca mais lá vai. E mais, se era para se fazer o frete, mais valia ter-se entrado em campo com os jogadores da equipa B. Se calhar até que teriam deito melhor figura.

Quanto a Nuno Espírito Santo (NES), este percebeu tarde demais que nunca deveria ter dado ouvidos à “sapiência” futebolística dos adeptos que o criticam por tudo e por nada. Eu sempre disse que o melhor sistema táctico para o actual FC Porto é o 4x4x2. E a prova está neste jogo de Moreira de Cônegos onde os azuis e brancos só começaram “a jogar à bola” quando NES retirou do campo Otávio e Herrera para fazer entrar André Silva e Corona. Dito de outra forma; a equipa portista joga muito melhor num 4x4x2 do que num 4x3x3 onde praticamente só se vê Brahimi a brincar com a bola e a correr para cima dos adversários para perder a posse do esférico o mais rapidamente possível. O que não, percebi foi a razão da entrada de Rui Pedro em campo por troca com Tiquinho Soares… Gestão de esforço nesta altura do campeonato NES?

Depois do que vi hoje em Moreira de Cônegos espero bem que Pinto da Costa e restante Direcção do FC Porto já tenham definido a próxima época. Se ainda não o fizeram o mais provável é na próxima época ficarmos – mais uma vez - em branco

MVP (Most Valuable Player): Alex Telles. De todos os que estiveram em campo, Alex foi aquele que mais procurou dar a volta ao rumo dos acontecimentos antes de ter sido “levado na onda”. Bem a atacar e exímio a defender, Alex foi um “oásis” num tremendo “deserto de ideias” que hoje se apelidou de Futebol Clube do Porto.

Chave do Jogo: Apareceu no minuto 83', altura em que o Moreirense marcou o seu terceiro golo e colocou um ponto final no jogo. Até esta altura a partida estava longe de estar decidida muito por força da reacção dos portistas que fora entretanto promovida pelas “mexidas” tardias do seu treinador.

Arbitragem: Não terá sido por causa de Fábio Veríssimo e dos seus assistentes que o Futebol Clube do Porto perdeu o jogo de hoje. Contudo os Dragões terão algumas razões de queixa porque terá ficado por marcar uma grande penalidade contra o Moreirense por falta de Caué sobre Otávio ainda na primeira parte e quando os azuis e brancos pressionavam a equipa cónega foram vários os momentos em que Fábio Veríssimo pactuou com as famosas “demoras de tempo” que cortam o ritmo do jogo a quem ataca.

Positivo: As alterações de NES ao intervalo. A mudança de um confuso 4x3x3 para um eficiente 4x4x2 foram o único factor positivo a apontar à equipa portista em todo o jogo.

Negativo: “Fazer o frete”. Os jogadores do Futebol Clube do Porto são profissionais bem renumerados. Independentemente de o jogo de hoje não contar para nada, a sua obrigação era a de ter feito algo mais pelo Clube.

Artigo publicado no blog o gato no telhado (21/05/2017)

domingo, 21 de maio de 2017

Tanto por decidir e tanto por esquecer

Moreirense e FC Porto entram neste jogo com estados de espírito bem diferentes. Os minhotos estão a jogar o tudo por tudo para não descerem de divisão e o FC Porto já só pensa nas férias e na próxima temporada. Os dois clubes vão por isso entrar neste jogo com estados bem diferentes.

A equipa treinada por Petit sabe que só depende de si para se manter na Liga NOS, mas o adversário não é o mais fácil. Mesmo sem ter objetivos imediatos para atacar nesta última jornada, a equipa de Nuno Espírito Santo tem o valor que todos sabemos e é favorito para a partida. Até por isso, os ouvidos do Moreirnese estarão certamente no jogo do Tondela com o Braga.

Para o FC Porto o jogo contra o Moreirense chega numa altura de incerteza. Incerteza em relação a quem treina na próxima temporada e incerteza sobre quem fica e quem sai no plantel. Podemos até por isso ver jogar alguns jogadores com menos minutos. Ainda assim e aconteça o que acontecer há muita coisa que os adeptos do FC Porto vão querer esquecer sobre esta temporada.

Uma partida onde um jogo pelo futuro e o outro jogo pelo orgulho. Vamos ver qual prevalece.
clicar para ampliar

sexta-feira, 19 de maio de 2017

O Cantinho das Modalidades

Andebol

- O FC Porto perdeu diante do Sporting (28-27), no Multiusos de Odivelas, em jogo da oitava e antepenúltima jornada da fase final do Andebol 1, mas continua na liderança da prova. As duas equipas somam 57 pontos, mas como os azuis e brancos venceram por dois golos no Dragão Caixa (30-28), na primeira volta desta fase final, levam vantagem no confronto direto. Na próxima ronda, a nona e penúltima, a equipa de Ricardo Costa volta a deslocar-se a Lisboa, desta vez para defrontar o Benfica, no dia 20 de maio (sábado), às 17h00.

Basquetebol

- A tradição voltou a cumprir-se. O quinto jogo oficial desta temporada entre FC Porto e Ovarense teve o mesmo fim que todos os outros quatro. Na Arena de Ovar, e à semelhança como nos dois outros jogos destes quartos de final da Liga, os atuais campeões nacionais voltaram a vencer por uma margem esclarecedora: 29 pontos de diferença (98-67) e vão discutir um lugar na final com o vencedor da eliminatória entre o Vitória de Guimarães e o Galitos que neste momento se encontra empatada, com uma vitória para cada lado.

- Moncho López é o vencedor do prémio de Treinador do Mês de abril atribuído pela Associação Nacional de Treinadores de Basquetebol, repetindo assim a distinção referente ao mês de janeiro. Em abril, o técnico galego conduziu o FC Porto a cinco vitórias e apenas uma derrota em seis jogos.

- O Vitória de Guimarães é o adversário do FC Porto nas meias-finais dos Playoffs da Liga. Os vimaranenses confirmaram o acesso à semifinal da competição depois de terem somado a terceira vitória na série (3-2) sobre o Galitos, ganhando à equipa do Barreiro por 81-79 em Guimarães após prolongamento.

Hóquei em Patins

- A equipa B de hóquei em patins do FC Porto garantiu a subida à segunda divisão nacional, após golear a formação do “Olá Mouriz” ACDR, por 25-1. O triunfo permitiu aos Dragões chegar aos 53 pontos e beneficiar da derrota do segundo classificado, o “Limianos”, para vencer a Série A do terceiro escalão.

Bilhar

- A equipa de bilhar do FC Porto apurou-se para as meias-finais da Taça de Portugal de bilhar às três tabelas, vencendo no salão do Famalicense AC, por 3-1. A vitória azul e branca foi construída graças a triunfos de Santos Oliveira sobre Rui Gomes (15-7; 15-9), João Ferreira sobre Carlos Veloso (15-9; 15-7) e do campeão mundial Daniel Sánchez sobre Artur Figueiredo (15-6; 15-12). No jogo dois, no mais equilibrado dos quatro, Rui Manuel Costa foi derrotado por Adolfo Pereira (15-12; 15-14).

- O FC Porto está na final da Taça de Portugal de bilhar às três tabelas depois de ter vencido no salão do Clube Bilharista da Amadora, por 2-0, nas meias-finais da prova. Os Dragão vão discutir a conquista do troféu com o Sporting, sendo que o jogo da decisão será em local e data ainda a definir.

Ciclismo

- O portista Ricardo Mestre terminou no sétimo posto o contrarrelógio individual que deu início à 3.ª edição do Grande Prémio do Dão, que é a última prova pontuável para a Taça de Portugal da época de 2017. O corredor da W52-FC Porto-Mestre da Cor concluiu os 19,5 quilómetros do percurso em 26m41s, gastando mais 1m08s do que o vencedor da etapa, o espanhol Alejandro Marque (Sporting-Tavira). A 1m16s do mais rápido destaque ainda para o nono posto de Gustavo Veloso, que foi o segundo de dois portistas que integraram o top-10 da etapa.

- A segunda etapa do Grande Prémio do Dão foi cancelada devido a problemas na transição do policiamento da Guarda Nacional Republicana para a Polícia de Segurança Pública, na chegada à cidade de Viseu. Segundo pode ler-se num comunicado da Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais, os problemas entre as duas forças de segurança motivaram um engano no percurso, o que fez com que os ciclistas parassem antes de cruzar a meta pela última vez.

Posto isto, a organização da prova, juntamente com o Colégio de Comissários, decidiu anular a segunda e última etapa da prova. A Federação Portuguesa de Ciclismo vai agora esperar pelo relatório do Colégio de Comissários para decidir sobre a homologação dos resultados da última prova pontuável para a edição de 2017 da Taça de Portugal de elite e Sub-23.

Desporto Adaptado

- O portista Pedro Cardoso sagrou-se tetracampeão nacional de ténis de mesa adaptado, após renovar o título nos Campeonatos Nacionais ANDDI (destinados a atletas com deficiência intelectual), que decorreram no Complexo Desportivo de Lamego. O FC Porto participou com seis atletas. Pedro Cardoso foi o mais destacado, conseguindo juntar ao triunfo individual o segundo posto na variante de pares. Na categoria de atletas com Síndrome de Down, Fábio Ramalho conseguiu a medalha de bronze.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Não me Venham com Histórias

“É melhor ficar em segundo do que em terceiro”. “Ganhámos mais 26M€ com a participação na Champions”! Estranhas frases de alguns (poucos) portistas a deitar água na fervura. Contos da Carochinha para quem estiver distraído. Se a participação desportiva foi insuficiente, a atividade económica foi um desastre. O resultado do 1º Semestre (1 de Julho a 31 de Dezembro) foi de 30M€ negativos e o Capital Próprio evaporou-se. Sem transações com jogadores os Proveitos Operacionais não chegam para pagar os Custos. Gastámos mais do que temos. Ou seja o Resultado Operacional deu prejuízo.
Mas nem é isso que me preocupa. Foi assim todos os anos. No passado tivemos o saber e a sorte de fazer excelentes transações. Compramos barato e vendemos caro. Só que, de algum tempo a esta parte, as posições parecem ter-se invertido. Precisamos de arranjar um bom empresário ou não vamos lá. Os meus amigos fazem ideia de quanto renderam os jogadores que saíram nos últimos 10 anos? Eu digo: Mais de seiscentos milhões de euros (vai por extenso para dar mais ênfase)! Mesmo com esta massa toda não conseguimos substituí-los e construir uma equipa ganhadora. Vamos ter muito trabalhinho pela frente.
Problema número um: A HYDRA DAS SETE CABEÇAS. A “instituição” ocupou todos os lugares de controlo do futebol português: Liga, FPF, Comissões de Disciplina e Justiça, Observadores, Representantes de Jogadores, Árbitros e o Tribunal Arbitral. Urge continuar a denunciar as focas amestradas que vomitam a cartilha todas as semanas e os pasquins escritos e televisionados (com a querida RTP à cabeça) que a troco de uns vouchers para umas cervejolas, e borlas para encher o galinheiro mentem descaradamente sobre as “virtudes” do clube da treta escondendo o Passivo monumental em que está atolado. A Administração esconde-se e quem faz o trabalho de campo é o Porto Canal!
 
Problema número dois: O TREINADOR. Como é conhecido Nuno tem contrato até Junho de 2018. Não acredito que tome a iniciativa de sair por isso teremos que negociar um acordo e pagar-lhe o que for de pagar como aconteceu com os dois anteriores. Este ano foi mau de mais para ser verdade. A equipa pratica um futebol amorfo, descontinuado, inconsequente, previsível. Acredito que possam existir dois NES: o NES Bom e o NES Mau. Desculpem lá os que gostariam que continuasse mas eu não acredito em milagres. Este é mesmo mau.
 
Problema número três: CONTRATAR JOGADORES. Ultimamente, e salvo raras exceções, só tem entrado “Barónis”, a equipa é uma manta de retalhos. Bem sei que andam por aí emprestados uns 30 caramelos dos quais poderemos aproveitar 2 ou 3 mas gostava que a administração conseguisse alguns jogadores de primeira água que se fixassem na equipa. Do plantel atual não creio que mais de metade se aproveite. 
 
Problema número quatro: NÃO TEMOS DINHEIRO. Precisamos de jogadores para entrar de caras na equipa. É urgente despachar os excedentários mas vai ser difícil encontrar quem lhes pegue. Acresce que dos 2 ou 3 que poderemos vender não temos sequer a totalidade dos passes. Os emprestados habitualmente saem de graça ou ficam na prateleira. Resultado: Custos a subir, Ganhos a descer.
Problema número cinco: PINTO DA COSTA. Todos gostamos muito dele (e não estou a ser irónico) deu-nos o que nós, Portistas da velha guarda, nunca sonhamos conseguir depois de 19 anos sem ganhar nada. Seccionista e dirigente tenho que salientar a dupla que fez com José Maria Pedroto. Foi com ambos que se iniciou a conquista de uma quantidade inesquecível de títulos nacionais e estrangeiros nos últimos 30 anos. No património deu um significativo contributo na construção do Dragão, o Pavilhão e o Museu. Com imensa pena minha e de todos os Portistas acabou. Poderia ter ficado como merecia presidente honorário mas não quis. Os restantes membros da administração da sociedade nem merecem comentários. Simplesmente não existem. A SAD é Pinto da Costa os louros ou derrotas são dele.
Problema número seis: PREPARAR O FUTURO. Confesso que embora acompanhe o Clube desde o Campo da Constituição não tenho conhecimento suficiente de quem sejam os sócios capazes de fazer regressar o Clube aos sucessos que nos habituou integrando as listas quando houver eleições. Naturalmente para o Clube deverão ser Portistas se possível com obra feita. Na Sociedade haverá acionistas maioritários com participação assegurada na administração. Sendo o Clube o seu principal acionista com 74,59% é conveniente que o eleito acumule a presidência de ambas. António Oliveira como maior acionista individual deve ter “pelo menos” direito a um lugar na Administração. Assim o queira.
 
Até à próxima
 
PS – No Sábado gostei muito de ver o desportivismo do Vitória ir ao galinheiro assistir ao jogo. A minha dúvida é saber se pagaram o bilhete ou viram o jogo de borla.